PALAVRA COM SENTIDO

PALAVRA COM SENTIDO

“…O reino de Deus é como um homem que lançou a semente à terra…” (cf. Mc. 4, 26)

Acolher Deus e o seu projecto de amor: eis o significado de ‘reino de Deus’. A acção de Deus em nós é um mistério de presença, de renovação, de desafio, de confiança. Quem acredita e ama, faz do seu coração uma ‘boa terra’ para que nele germine, cresça e frutifique a Palavra do Senhor. No mais íntimo de cada um, a graça de Deus vai actuando, eficaz e silenciosamente, transformando a vida, os sentimentos e a acção quotidiana; fazendo crescer a fé, a bondade e a esperança nos gestos, nas atitudes e nas decisões. Deixando que Deus aja, tornamo-nos imagem d’Ele, presença d’Ele; tornamo-nos Filhos e irmãos que se respeitam, se ajudam e se compreendem; tornamo-nos mensageiros do bem e da alegria do Evangelho, na fidelidade aos mandamentos do Senhor. O reino de Deus está em nós…

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

PALAVRA DO PAPA FRANCISCO


- na Audiência-Geral, na Praça de São Pedro – Roma, no dia 15 de Fevereiro

Bom dia, amados irmãos e irmãs!
Desde a infância, ensinam-nos que não é bom orgulhar-se. Na minha terra, aqueles que se vangloriam são chamados «pavões». E é correcto, porque orgulhar-nos daquilo que somos ou do que possuímos, além de uma certa soberba, revela também uma falta de respeito pelos outros, especialmente por quantos são mais desafortunados do que nós. Mas, neste trecho da Carta aos Romanos, o Apóstolo Paulo surpreende-nos porque, por duas vezes, nos exorta a orgulhar-nos. Então, do que é correcto orgulhar-se? Pois, se ele exorta a orgulhar-se, é correcto orgulhar-se de algo. E como é possível fazer isso, sem ofender o próximo, sem excluir ninguém?
No primeiro caso, somos convidados a orgulhar-nos da abundância da graça que nos permeia em Jesus Cristo, por meio da fé. Paulo deseja levar-nos a compreender que, se aprendermos a ver tudo na luz do Espírito Santo, compreenderemos que tudo é graça! Tudo é dom! Com efeito, se prestarmos atenção, quem age — tanto na história como na nossa vida — não somos nós, mas, antes de tudo, Deus. Ele é o protagonista absoluto, que cria tudo como dádiva de amor; que tece a trama do seu desígnio de salvação e que o leva a cumprimento por nós, mediante o seu Filho Jesus. A nós, pede-se que reconheçamos tudo isso; que o recebamos com gratidão e que o levemos a tornar-se motivo de louvor, de bênção e de grande alegria. Se fizermos isso, estaremos em paz com Deus e faremos experiência da liberdade. E, depois, esta paz propaga-se a todos os âmbitos e a todos os relacionamentos da nossa vida: estamos em paz connosco mesmos, estamos em paz em família, na nossa comunidade, no trabalho e com as pessoas que encontramos todos os dias ao longo do nosso caminho.
Mas Paulo exorta a orgulhar-se, também, nas tribulações. Isto não é fácil de entender. Para nós, isso é mais difícil e pode parecer que nada tem a ver com a condição de paz há pouco descrita. Ao contrário, constitui o seu pressuposto mais autêntico e mais verdadeiro. Com efeito, a paz que o Senhor nos oferece e nos garante não deve ser entendida como ausência de preocupações, de desilusões, de faltas, de motivos de sofrimento. Se fosse assim, caso conseguíssemos estar em paz, esse momento acabaria depressa e inevitavelmente cairíamos no desânimo. Ao contrário, a paz que brota da fé é um dom: é a graça de experimentar que Deus nos ama e que está sempre ao nosso lado, não nos deixa sós nem sequer um instante da nossa vida. E isto, como afirma o Apóstolo, gera paciência porque sabemos que, até nos momentos mais difíceis e desconcertantes, a misericórdia e a bondade do Senhor são maiores do que tudo e nada nos tirará das suas mãos e da comunhão com Ele.
Eis, então, por que a esperança cristã é sólida, eis por que não desilude. Nunca desilude. A esperança não engana! Não está fundada no que nós podemos fazer ou ser, e nem sequer naquilo em que podemos acreditar. O seu fundamento, ou seja, o fundamento da esperança cristã, é o que de mais fiel e seguro pode existir, isto é, o amor que o próprio Deus alimenta por cada um de nós. É fácil dizer: Deus ama-nos. Todos o dizemos. Mas pensai um pouco: cada um de nós é capaz de dizer: estou convicto de que Deus me ama? Não é tão fácil dizê-lo. Mas é verdade. É um bom exercício, dizer a si mesmo: Deus ama-me. Esta é a raiz da nossa segurança, a raiz da esperança. E o Senhor infundiu abundantemente nos nossos corações o Espírito - que é o amor de Deus - como artífice, como garante, exactamente para que possa nutrir a fé dentro de nós e manter viva esta esperança. E esta segurança: Deus ama-me. «Mas, neste momento difícil!» Deus ama-me. «E eu, que cometi esta acção feia e má?» Deus ama-me. Ninguém nos priva desta segurança. E devemos repeti-lo como prece: ‘Deus ama-me. Estou convicto de que Deus me ama; estou convicta de que Deus me ama…’
Agora compreendemos por que razão o Apóstolo nos exorta a orgulhar-nos sempre de tudo isto. Orgulho-me do amor de Deus, porque Ele me ama. A esperança que nos é oferecida não nos separa dos outros, e muito menos nos leva a desacreditá-los ou a marginalizá-los. Ao contrário, trata-se de uma dádiva extraordinária da qual somos chamados a tornar-nos «canais» para todos, com humildade e simplicidade. E então o nosso maior orgulho consistirá em ter como Pai um Deus que não tem preferências, que não exclui ninguém, mas que abre a sua casa a todos os seres humanos, a começar pelos últimos e pelos distantes, a fim de que, como seus filhos, aprendamos a consolar-nos e a ajudar-nos uns aos outros. E não vos esqueçais: a esperança não desilude! (cf. Santa Sé)