PALAVRA COM SENTIDO

PALAVRA COM SENTIDO

“…permanecei firmes no Senhor…” (cf. Fil. 4, 1)

A vida dos cristãos, no mundo em que vivemos, é constantemente desafiada pelo pecado que nos envolve como teia de violência, de descrédito, de maldade, de perfídia. Muitas vezes, a desconfiança, o desânimo, a indiferença dominam os sentimentos e o coração dos crentes que, tomados de assalto pela mentalidade laicista - que quer controlar e regular a vida e as consciências – deixam esvaziar a fé e a esperança que depositavam em Cristo e no seu Evangelho. O apelo da palavra é convite à perseverança, à fidelidade, à firmeza do testemunho. Não é de um homem que recebemos este desafio; é de Cristo, o Filho de Deus, o Eleito. Diante das muitas feridas da Igreja, que partilha os sofrimentos de tantos homens e mulheres que sentem na sua pele a perseguição, a incompreensão e até a morte, somos chamados a deixarmo-nos transfigurar pela graça, pelo perdão e pelo amor de Deus.

segunda-feira, 19 de junho de 2017

PALAVRA DO PAPA FRANCISCO


- na Audiência-Geral, na Praça de São Pedro – Roma, no dia 14 de Junho

Resumo:

A nossa esperança assenta na certeza de sermos filhos de Deus, amados, desejados por Deus. Se quisermos mudar o coração duma pessoa triste, é preciso, antes de mais nada, fazer-lhe sentir que é desejada, que é importante. Grande parte da angústia do homem de hoje nasce disto: de pensar que, se não formos fortes, atraentes e belos, ninguém porá os olhos em nós, ninguém quererá saber de nós. Muitos procuram dar nas vistas, só para preencher um vazio interior: como se fôssemos pessoas eternamente carecidas de confirmação do que somos e valemos. Imaginai um mundo onde todos procuram chamar a atenção para si mesmos, e ninguém está disposto a querer bem gratuitamente aos outros! Parece um mundo humano, mas na realidade é um inferno. Nada mais poderá fazer-nos felizes, senão a experiência do amor dado e recebido? A vida do ser humano consiste numa troca de olhares: alguém, fixando-nos nos olhos, arranca-nos o primeiro sorriso; por nossa vez, sorrindo gratuitamente a quem está fechado na tristeza, abrimos-lhe uma porta de saída. Vemos acontecer isto no filho pródigo da parábola: «Quando ainda estava longe, o pai viu-o e, enchendo-se de compaixão, correu a lançar-se-lhe ao pescoço…». Somos filhos amados de Deus. E não nos ama, por ver em nós alguma razão para isso; ama-nos porque Ele mesmo é amor, e o amor, por sua natureza, tende a difundir-se, a dar-se. Deus nem sequer faz depender o seu amor da nossa conversão: antes, esta é consequência do seu amor. Deus ama-nos mesmo quando somos pecadores. Ao criar-nos, imprimiu em nós uma beleza primordial que nenhum pecado, nenhuma opção errada poderá jamais cancelar de todo. Aos olhos do Pai do céu, seremos sempre pequenas fontes de água boa que jorram para a vida eterna.
 (cf. Santa Sé)