PALAVRA COM SENTIDO

PALAVRA COM SENTIDO

“…Eu sou o pão vivo que desceu do céu…” (cf. João 6, 51)

O pão é um bem precioso. Presente nas nossas mesas, é um sinal de bênção, de abundância, de sustento, de partilha, de caridade. Partir e repartir o pão é ter o coração aberto ao amor, à alegria, à serenidade. Pedir o pão, o pão nosso de cada dia – como ensinou Jesus – é pedir o indispensável para uma vida digna e feliz. Com tanta fome no mundo, o pão é sinal sagrado da comunhão, da fraternidade, da entreajuda. Ao oferecer-se como alimento, Jesus identifica-se com o pão: o pão vivo que desceu do Céu. Ele quer alimentar de vida, de esperança, de perdão, de misericórdia todos os homens da terra. Oferecendo-se como pão, Jesus aponta o caminho da santidade, do testemunho, da missão, da eternidade. Comer o Corpo de Cristo é transformar-se n’Ele, para que a nossa vida O anuncie nos gestos, nas palavras e nas atitudes de amor. Precisamos ter fome de Cristo para podermos rezar: “Senhor, dá-nos sempre deste pão”.

segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

PALAVRA DO PAPA FRANCISCO


- resumo da Palavra do Papa, na Audiência - Geral, na Praça de São Pedro, Roma no dia 27 de Dezembro

A construção do presépio e sobretudo as celebrações litúrgicas, com as suas leituras bíblicas e os seus cânticos tradicionais, fazem-nos reviver hoje o Natal do Deus Menino, levando-nos a procurar e a reconhecer a verdadeira luz, que é Jesus. Fez-Se homem como nós, mas apresentou-Se de maneira surpreendente: nasceu duma família humilde e desconhecida, na pobreza dum curral; nasceu da Virgem Maria como qualquer criança deste mundo, mas não veio «da terra», veio do Pai celeste. O mundo não se deu conta de nada, mas os anjos exultam no Céu e vieram dar notícia aos marginalizados da sociedade: os pastores de Belém. São eles os primeiros destinatários da salvação trazida pelo Deus Menino. Sobre eles refulgiu uma grande luz, que os levou até Jesus. E é assim que Ele Se apresenta também a nós: como o dom de Deus para uma humanidade imersa na noite e na sonolência. Jesus é um dom de Deus para nós. E como se acolhe este dom de Deus que é Jesus? Como Ele próprio nos ensinou com a sua vida: tornando-nos diariamente um dom para as pessoas que se cruzam connosco. Por isso mesmo, no Natal, trocamos dons entre nós. Mas, para nós, o verdadeiro dom é Jesus e, como Ele, queremos ser dom para os outros. Assim Jesus não cessará jamais de nascer na vida de cada um de nós e, por nosso intermédio, continuará a ser dom de salvação para os humildes e marginalizados da terra. (cf. Santa Sé)