PALAVRA COM SENTIDO

PALAVRA COM SENTIDO

“…enchei-nos da vossa misericórdia…” (cf. Salmo 89)

Na sociedade de que fazemos parte, reina a indiferença e o egoísmo. É preocupante o espírito de descarte, de abandono, de exclusão. O bem individual está à frente do bem comum. A solidariedade reveste-se mais de fantasia do que de verdade. Neste contexto, a misericórdia é uma urgência a tocar a vida e os sentimentos de todos: coração aberto aos outros, atenção aos mais débeis e sós, partilha de presença e de vida, exigência de caridade fraterna, compreensão diante da fragilidade e do pecado. Pedindo o dom da misericórdia, os crentes querem encher-se da graça de Deus que acolhe, que ama, que perdoa, que consola, que eleva e salva. Encher-se de misericórdia é expressar, em gestos de proximidade e de amor, o bem que vem de Deus e que, no coração humano, se transforma em dádiva de vida. “Enchei-nos, Senhor, da vossa misericórdia” para que sejamos, entre os nossos irmãos, uma fonte de alegria, de paz, de ternura e de esperança.

segunda-feira, 23 de abril de 2018

EM DESTAQUE



- DOMINGO DO BOM PASTOR

“…O Bom Pastor! Esta figura bíblica tem origem na observação e na experiência. Durante longo tempo, Israel foi um povo de pastores e a tradição da época dos patriarcas e das gerações sucessivas encontra correspondência nos textos do Antigo Testamento. O pastor, aquele que vigilante guarda o rebanho e o conduz às pastagens férteis, tornou-se a imagem do homem que guia e está à frente de uma nação, sempre solícito por aquilo que lhe diz respeito. Assim no Antigo Testamento é representado o pastor de Israel.  
Na Sua pregação, Jesus liga-se a esta imagem, mas introduz um elemento inteiramente novo: pastor é aquele que dá a vida pelas suas ovelhas (cf.  Jo 10, 11-18). Ele atribui esta característica ao bom pastor, distinguindo-o de quem, ao contrário, é mercenário e portanto não cuida do próprio rebanho. Antes, apresenta-Se a Si mesmo como o protótipo do bom pastor, capaz de dar a vida pelo seu rebanho. O Pai enviou-O ao mundo para que fosse o pastor não só de Israel, mas da humanidade inteira.  
É de modo especial na Eucaristia que se torna sacramentalmente presente a obra do Bom Pastor, o qual, depois de ter anunciado a «boa nova» do Reino, ofereceu em sacrifício a própria vida pelas ovelhas. A Eucaristia é, de facto, o sacramento da morte e ressurreição do Senhor, do Seu supremo acto redentor. É o sacramento em que o Bom Pastor torna constantemente presente o Seu amor oblativo por todos os homens…” (Papa João Paulo II, 3 de Maio de 1998)