PALAVRA COM SENTIDO

PALAVRA COM SENTIDO

“…enchei-nos da vossa misericórdia…” (cf. Salmo 89)

Na sociedade de que fazemos parte, reina a indiferença e o egoísmo. É preocupante o espírito de descarte, de abandono, de exclusão. O bem individual está à frente do bem comum. A solidariedade reveste-se mais de fantasia do que de verdade. Neste contexto, a misericórdia é uma urgência a tocar a vida e os sentimentos de todos: coração aberto aos outros, atenção aos mais débeis e sós, partilha de presença e de vida, exigência de caridade fraterna, compreensão diante da fragilidade e do pecado. Pedindo o dom da misericórdia, os crentes querem encher-se da graça de Deus que acolhe, que ama, que perdoa, que consola, que eleva e salva. Encher-se de misericórdia é expressar, em gestos de proximidade e de amor, o bem que vem de Deus e que, no coração humano, se transforma em dádiva de vida. “Enchei-nos, Senhor, da vossa misericórdia” para que sejamos, entre os nossos irmãos, uma fonte de alegria, de paz, de ternura e de esperança.

segunda-feira, 9 de abril de 2018

SANTOS POPULARES



BEATO PEDRO MARIA RAMÍREZ RAMOS

Pedro Maria Ramírez Ramos nasceu em 23 de Outubro de 1899, em La Plata, departamento de Huila, na Colômbia. Foi baptizado no dia seguinte ao seu nascimento. Era o quarto dos sete filhos de Ramón Ramírez e de Isabel Ramos. Teve outros irmãos, nascidos do casamento anterior do seu pai.
Pedro frequentou o ensino básico na escola da Vila e, aos doze anos, entrou no Seminário Menor de La Mesa de Elías, em Huila, onde estudou com muito bom aproveitamento. Em 4 de Outubro de 1915, aos dezasseis anos, completados os estudos secundários, passou para o Seminário Maior de Garzón, para fazer o curso teológico.
No entanto, em 1920, abandonou do seminário, aconselhado pelo seu director espiritual que não via nele verdadeiros sinais de vocação e determinação para seguir o caminho do sacerdócio. Para além disso, sugeriu que procurasse uma cura para as suas frequentes dores de cabeça.
Pedro Ramos passou os oito anos seguintes dedicando-se ao ensino. O seu tempo disponível foi dedicado ao serviço da paróquia, tendo assumido a responsabilidade de director e secretário do coro paroquial. Mas, o seu pensamento e o seu coração estavam ocupados pelo seu desejo de seguir a vocação sacerdotal.
Em 1928, voltou ao seminário, agora ao Seminário Maior de Maria Imaculada em Ibagué. Depois de profunda reflexão e de uma reunião, muito elucidativa, com o bispo de Ibagué, foi admitido para terminar os estudos teológicos. Pedro Ramos foi ordenado sacerdote, no dia 21 de Junho de 1931. Celebrou a Missa Nova, a sua primeira missa, na igreja de São Sebastião, em La Plata, no dia 16 de Julho seguinte.
Durante o seu primeiro ano de sacerdócio, o bispo de Ibagué, monsenhor Pedro Martinez, nomeou-o Pároco de Chaparral. Depois, foi destinado a Cunday, em 1934; a Fresno, em 1943; e, finalmente, a Armero-Tolima, em 1946.
Em todas as paróquias por onde passou, deixou a imagem de um padre cheio de fervor, com uma fé inabalável e muito dedicado à Virgem Maria. Sempre se manteve fiel e firme na sua missão apostólica, como era de esperar de um sacerdote a quem foi confiada uma comunidade cristã e para a qual deveria ser testemunha da verdadeira fé e animador de uma prática religiosa autêntica.
No dia 9 de Abril de 1948, em Bogotá, Jorge Eliecer Gaitán, candidato liberal às eleições presidenciais, foi assassinado. Este facto deu origem a uma explosão de violência, conhecida como "Bogotazo", que atingiu, também, a povoação de Armero.
O Padre Pedro recebeu as primeiras notícias da revolta quando estava no hospital de Armero, de visita a um doente. Também ele foi envolvido nesta espiral de violência. Os revoltosos, e as multidões que os apoiavam, difundiram a ideia de que todos os membros da Igreja Católica – apesar destes fazerem, constantemente, apelo à não-violência - estavam do lado do presidente, o conservador Mariano Ospina Pérez.
Nesse mesmo dia em que explodiu a violência - 9 de Abril - por volta das 14h30, uma multidão armada, instigada por fanáticos e pelo álcool, apresentou-se para prender o Padre Pedro. A Irmã Miguelina, superiora do Convento das Irmãs da Misericórdia Eucarística, que ficava ao lado da Igreja Paroquial, escondeu o Padre da fúria da multidão.
Durante a noite, as freiras e algumas famílias aconselharam o Padre a escapar, ajudando-o a encontrar refúgio em lugar seguro e secreto. Porém, voltando-se para a irmã Miguelina, o Padre Pedro respondeu: "Não fujo por nenhum motivo. Quando vou rezar à Capela, consulto o meu "Amito". Ele diz-me para ficar aqui. Vós sim, Madre, deveis tomar as providências necessárias". "Amito" era um termo confidencial e amoroso com o qual o Padre Pedro se referia ao Senhor: ele sentiu, portanto, que Ele queria que ele ficasse lá, entre o seu povo.
Na manhã do dia 10 de Abril, o Padre Pedro celebrou a missa e deu a comunhão às irmãs e a um grupo de estudantes. De seguida, saiu para confessar um doente hospitalizado e para visitar cento e setenta encarcerados, na prisão da vila.
Pouco antes do meio-dia, distribuiu - para evitar profanações - as últimas hóstias consagradas às freiras, reservando uma para si, em caso de extrema necessidade. Em seguida, escreveu, a lápis, o seu testamento espiritual, que endereçou ao seu bispo e à sua família.
"Da minha parte", escreveu ele, "desejo morrer por Cristo e na sua fé. A Vossa Excelência, Senhor Bispo, expresso a imensa gratidão porque, sem o merecer, me fez Ministro do Altíssimo, Sacerdote de Deus e, agora, Pastor de Armero, povo pelo qual quero derramar o meu sangue. Deixo uma lembrança especial para o meu director espiritual, o santo Padre Dávila. Aos meus familiares, digo que serei o primeiro no exemplo que eles devem seguir: morrer por Cristo. Por todos, com um afecto especial, olharei do céu. A minha mais profunda gratidão às Irmãs Eucarísticas. No céu, vou interceder por elas, especialmente pela Madre superiora, a Irmã Miguelina. Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Armero, 10 de Abril de 1948».
Na tarde do dia 10 de Abril, por volta das 16h30, um grande número de liberais invadiu a igreja e o convento, sob o pretexto de procurar armas escondidas, destruindo tudo o que podiam. Não encontrando nada, gritaram às freiras: "Entregai-nos o padre, ou todas morrereis". As Irmãs Mercedárias Eucarísticas fugiram pelos telhados, deixando o Padre Pedro sozinho.
Amarrado e trazido para fora, foi arrastado, entre gritos e palavras de gozo, até à praça central da vila. Mais de mil pessoas atiraram-se a ele, ferindo-o, repetida e mortalmente, com facalhões. Enquanto era sujeito a esta barbárie, o Padre Pedro perdoava àqueles que o estavam a matar. Como Cristo crucificado, as suas últimas palavras foram: "Pai, perdoai-lhes… Tudo por Cristo". Os seus algozes terminaram a “festança” e o seu sofrimento com uma bala na parte de trás da cabeça.
O seu cadáver, despojado das suas vestes sacerdotais, foi abandonado na entrada do cemitério da cidade. Algumas prostitutas, que o encontraram, atiraram-no para cova, deixando-o a céu aberto. O Padre Pedro, na sua morte, não teve quem rezasse por ele, nem sequer um Pai-Nosso. Naquela hora, estava só e abandonado, como o Senhor crucificado!... Somente no dia 21 de Abril, quando chegaram as autoridades, é que o seu corpo foi retirado da cova para ser realizada a autópsia. Um mês depois, os familiares do Padre Pedro puderam levar o seu corpo para lhe darem condigna sepultura, no cemitério de La Plata, a sua terra natal. O Padre Pedro Ramos foi sepultado no túmulo da sua família. Os seus restos mortais foram transferidos, no dia 24 de Agosto de 2017, para a igreja de São Sebastião, em La Plata, onde ele foi baptizado e onde celebrou a sua primeira missa.
A fama do martírio do pároco de Armero espalhou-se, imediatamente, por toda a região e foram-lhe atribuídos muitos milagres, sobretudo muitas curas. No entanto, muitas calúnias foram, também, ditas contra ele. A mais surpreendente foi a acusação de que ele tinha lançado uma maldição sobre a cidade, que teria causado a avalanche de 13 de Novembro de 1985, em que morreram mais de vinte mil pessoas.
Em 23 de Fevereiro de 1993, começou o processo canónico, em ordem à sua beatificação. Em 7 de Julho de 2017, o Papa Francisco aprovou o decreto que declarava que o Padre Pedro Maria Ramírez Ramos fora morto por ódio à fé católica.
O Padre Pedro foi beatificado, pelo Papa Francisco, no dia 8 de Setembro de 2017, em Villavicencio, cidade capital do departamento do Meta, em Los Llanos Orientales, durante a sua visita apostólica à Colômbia. Na homilia da Missa, o Papa disse: “…A reconciliação não é uma palavra que devemos considerar abstracta; se assim fosse, traria apenas esterilidade, traria maior distância. Reconciliar-se é abrir uma porta a todas e cada uma das pessoas que viveram a realidade dramática do conflito. Quando as vítimas vencem a tentação compreensível da vingança - quando vencem esta tentação compreensível da vingança - tornam-se nos protagonistas mais credíveis dos processos de construção da paz. É preciso que alguns tenham a coragem de dar o primeiro passo nesta direcção, sem esperar que o façam os outros. Basta uma pessoa boa, para que haja esperança. Não esqueçais isto: basta uma pessoa boa, para que haja esperança. E cada um de nós pode ser essa pessoa! Isto não significa ignorar ou dissimular as diferenças e os conflitos. Não é legitimar as injustiças pessoais ou estruturais. O recurso à reconciliação concreta não pode servir para se acomodar em situações de injustiça. Pelo contrário, como ensinou São João Paulo II, «é um encontro entre irmãos dispostos a vencer a tentação do egoísmo e a renunciar aos intentos duma pseudo-justiça; é fruto de sentimentos fortes, nobres e generosos, que levam a estabelecer uma convivência fundada sobre o respeito de cada indivíduo e dos valores próprios de cada sociedade civil» (Carta aos Bispos de El Salvador, 6/VIII/1982). Por isso, a reconciliação concretiza-se e consolida-se com a contribuição de todos, permite construir o futuro e faz crescer a esperança. Qualquer esforço de paz sem um compromisso sincero de reconciliação será sempre um fracasso.
O texto do Evangelho, que ouvimos, culmina chamando a Jesus, o Emanuel, que significa Deus connosco. E como começa, assim termina Mateus o seu Evangelho: «Eu estarei sempre convosco até ao fim dos tempos» (28, 20). Jesus é o Emanuel que nasce e o Emanuel que nos acompanha todos os dias; é o Deus connosco que nasce e o Deus que caminha connosco, até ao fim do mundo. Esta promessa realiza-se também na Colômbia: D. Jesús Emilio Jaramillo Monsalve, Bispo de Arauca, (nota: foi beatificado, juntamente com o Padre Pedro) e o sacerdote Pedro Maria Ramírez Ramos, mártir de Armero, são sinal disso, expressão dum povo que quer sair do pântano da violência e do rancor.
Neste ambiente maravilhoso, cabe a nós dizer «sim» à reconciliação concreta; e, neste «sim», incluamos também a natureza. Não é por acaso que, inclusive sobre ela, se tenham desencadeado as nossas paixões possessivas, a nossa ânsia de domínio. Um vosso compatriota canta-o com primor: «As árvores estão a chorar, são testemunhas de tantos anos de violência. O mar aparece acastanhado, mistura de sangue com a terra» (Juanes, Minhas Pedras). A violência que existe no coração humano, ferido pelo pecado, manifesta-se também nos sintomas de doença que notamos no solo, na água, no ar e nos seres vivos (cf. Francisco, Carta enc. Laudato si’, 2). Cabe-nos dizer «sim» como Maria e cantar com Ela as «maravilhas do Senhor», porque, como prometeu aos nossos pais, Ele ajuda todos os povos e ajuda cada povo, e ajuda a Colômbia que hoje quer reconciliar-se e à sua descendência para sempre…”
A memória litúrgica do Padre Pedro é celebrada, na Colômbia, no dia 24 de Outubro, dia do seu baptismo; na liturgia da Igreja universal, será feita a sua memória, no dia 10 de Abril, dia do seu martírio.