PALAVRA COM SENTIDO

PALAVRA COM SENTIDO

“…tinham discutido uns com os outros sobre qual deles era o maior…” (cf. Marcos 9, 34)

Hoje, como no tempo de Jesus, vivemos a mentalidade e a ânsia do poder, do domínio, da grandeza, da mediatização a todo o custo. O que importa é aparecer, dar nas vistas, ser reconhecido, ocupar páginas nos jornais, ser referido nos telejornais da ‘hora nobre’. Os cristãos, muitas vezes, deixam-se dominar por estes apetites, sentimentos que têm a marca da mundanidade. Mas, o apelo de Cristo é bem diferente: a grandeza, a projecção, a importância advêm do amor aos outros; do serviço, simples e humilde, aos mais necessitados; do repartir a vida em gestos de caridade; do semear a concórdia e a serenidade nos ambientes, algumas vezes, hostis à fé; do acolher, com esperança e alegria, o misterioso desígnio de Deus para cada um; do saber encontrar no Evangelho a fonte da felicidade e da vida verdadeira. Aos olhos de Deus, quem quiser ser grande, faça-se servidor; quem quiser ser o primeiro faça-se o último. Seremos os ‘maiores’ no amor, na santidade, no perdão, na busca do bem comum, na construção da fraternidade.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

EM DESTAQUE


- DA MENSAGEM DO PAPA FRANCISCO
 PARA O DIA MUNDIAL DO DOENTE – 11 DE FEVEREIRO

“ Queridos irmãos e irmãs,
No próximo dia 11 de Fevereiro, celebrar-se-á em toda a Igreja, e de forma particular em Lourdes, a XXV Jornada Mundial do Doente, sob o tema: «Admiração pelo que Deus faz: “o Todo-Poderoso fez em mim maravilhas” (Lc 1, 49)». Instituída pelo meu predecessor São João Paulo II, em 1992, e celebrada a primeira vez precisamente em Lourdes, no dia 11 de Fevereiro de 1993, tal Jornada é ocasião para se prestar especial atenção à condição dos doentes e, mais em geral, a todos os atribulados; ao mesmo tempo, convida quem se prodigaliza em seu favor, a começar pelos familiares, profissionais de saúde e voluntários, a dar graças pela vocação recebida do Senhor para acompanhar os irmãos doentes. Além disso, esta recorrência renova, na Igreja, o vigor espiritual para desempenhar sempre da melhor forma a parte fundamental da sua missão que engloba o serviço aos últimos, aos enfermos, aos atribulados, aos excluídos e aos marginalizados (cf. João Paulo II, Motu proprio Dolentium hominum, 11 de fevereiro de 1985, 1). Com certeza, os momentos de oração, as Liturgias Eucarísticas e da Unção dos Enfermos, a interajuda aos doentes e os aprofundamentos bioéticos e teológico-pastorais que se realizarão em Lourdes, naqueles dias, prestarão uma nova e importante contribuição para tal serviço.
Sentindo-me, desde agora, presente espiritualmente na Gruta de Massabiel, diante da imagem da Virgem Imaculada, em quem o Todo-Poderoso fez maravilhas em prol da redenção da humanidade, desejo manifestar a minha proximidade a todos vós, irmãos e irmãs que viveis a experiência do sofrimento, e às vossas famílias, bem como o meu apreço a quantos, nas mais variadas tarefas de todas as estruturas sanitárias espalhadas pelo mundo, com competência, responsabilidade e dedicação, se ocupam das melhoras, cuidados e bem-estar diário de todos vós. (…)
O olhar de Maria, Consoladora dos aflitos, ilumina o rosto da Igreja no seu compromisso diário a favor dos necessitados e dos doentes. Os preciosos frutos desta solicitude da Igreja pelo mundo dos atribulados e doentes são motivo de agradecimento ao Senhor Jesus, que Se fez solidário connosco, obedecendo à vontade do Pai até à morte na cruz, para que a humanidade fosse redimida. A solidariedade de Cristo, Filho de Deus nascido de Maria, é a expressão da omnipotência misericordiosa de Deus que se manifesta na nossa vida – sobretudo quando é frágil, está ferida, humilhada, marginalizada, atribulada –, infundindo nela a força da esperança que nos faz levantar e sustenta.
Uma riqueza tão grande de humanidade e de fé não deve ficar perdida, mas sim ajudar-nos a enfrentar as nossas fraquezas humanas e, ao mesmo tempo, os desafios presentes em âmbito sanitário e tecnológico. Por ocasião da Jornada Mundial do Doente, podemos encontrar novo impulso a fim de contribuir para a difusão duma cultura respeitadora da vida, da saúde e do meio ambiente; encontrar um renovado impulso a fim de lutar pelo respeito da integridade e dignidade das pessoas, inclusive mediante uma abordagem correcta das questões bioéticas, a tutela dos mais fracos e o cuidado pelo meio ambiente.
Por ocasião da XXV Jornada Mundial do Doente, reitero a minha proximidade feita de oração e encorajamento aos médicos, enfermeiros, voluntários e a todos os homens e mulheres consagrados comprometidos no serviço dos doentes e necessitados; às instituições eclesiais e civis que trabalham nesta área; e às famílias que cuidam amorosamente dos seus membros doentes. A todos, desejo que possam ser sempre sinais jubilosos da presença e do amor de Deus, imitando o testemunho luminoso de tantos amigos e amigas de Deus, dentre os quais recordo São João de Deus e São Camilo de Lélis, Padroeiros dos hospitais e dos profissionais de saúde, e Santa Teresa de Calcutá, missionária da ternura de Deus…” (cf. Santa Sé)