PALAVRA COM SENTIDO

PALAVRA COM SENTIDO

“…enchei-nos da vossa misericórdia…” (cf. Salmo 89)

Na sociedade de que fazemos parte, reina a indiferença e o egoísmo. É preocupante o espírito de descarte, de abandono, de exclusão. O bem individual está à frente do bem comum. A solidariedade reveste-se mais de fantasia do que de verdade. Neste contexto, a misericórdia é uma urgência a tocar a vida e os sentimentos de todos: coração aberto aos outros, atenção aos mais débeis e sós, partilha de presença e de vida, exigência de caridade fraterna, compreensão diante da fragilidade e do pecado. Pedindo o dom da misericórdia, os crentes querem encher-se da graça de Deus que acolhe, que ama, que perdoa, que consola, que eleva e salva. Encher-se de misericórdia é expressar, em gestos de proximidade e de amor, o bem que vem de Deus e que, no coração humano, se transforma em dádiva de vida. “Enchei-nos, Senhor, da vossa misericórdia” para que sejamos, entre os nossos irmãos, uma fonte de alegria, de paz, de ternura e de esperança.

segunda-feira, 5 de junho de 2017

EM DESTAQUE


- SOLENIDADE DO PENTECOSTES

“...A Igreja celebra, hoje, a importante Solenidade do Pentecostes. Se, num certo sentido, todas as solenidades litúrgicas da Igreja são grandes, maior é o Pentecostes porque, chegando ao quinquagésimo dia, assinala o cumprimento do acontecimento da Páscoa, da morte e ressurreição do Senhor Jesus, através da dádiva do Espírito do Ressuscitado. Para o Pentecostes, a Igreja preparou-nos nos dias passados com a sua oração, com a invocação reiterada e intensa a Deus, para alcançar uma renovada efusão do Espírito Santo sobre nós. Assim, a Igreja reviveu aquilo que acontecera nas suas origens quando os Apóstolos, reunidos no Cenáculo de Jerusalém, «perseveravam unanimemente na oração com as mulheres, entre as quais Maria, mãe de Jesus, e os irmãos dele» (Act 1, 14). Estavam congregados na expectativa, humilde e confiante, de que se cumprisse a promessa do Pai, a eles comunicada por Jesus: «Vós sereis baptizados no Espírito Santo, daqui a poucos dias...descerá sobre vós o Espírito Santo, que vos dará a sua força» (Act 1, 5.8)…” (Bento XVI)
“… o Espírito Santo habita na Igreja e nos corações dos fiéis como num templo (cf. 1 Cor 3, 16; 6, 19); e neles ora e dá testemunho da sua adopção filial (cf. Gál 4, 6; Rom 8, 15-16. 26). Ele introduz a Igreja no conhecimento de toda a verdade (cf. Jo 16, 13), unifica-a na comunhão e no ministério, edifica-a e dirige-a com os diversos dons hierárquicos e carismáticos e enriquece-a com os seus frutos (cf. Et 4, 11-12; 1 Cor 12, 4; Gál 5, 22)”. (Lumen Gentium)
De acordo com a doutrina da Igreja, são sete os dons do Espírito que se manifestam na vida dos crentes, em ordem à vivência mais autêntica da fé e do esforço da santificação: o temor de Deus, que nos inspira o horror ao pecado; a piedade, que abre o nosso coração à comunhão com o Senhor e ao amor do próximo; a ciência, que nos ajuda a discernir o bem do mal; a fortaleza, que nos inspira a fazer o bem; o conselho, que nos auxilia na tomada de decisões; a inteligência, que nos faz penetrar profundamente nos mistérios da fé; e por fim, a sabedoria, que nos faz saborear o amor de Deus.