PALAVRA COM SENTIDO

PALAVRA COM SENTIDO

“… [Cristo aparecerá] para salvar aqueles que esperam por Ele…” (cf. Hebreus 9, 28)

Jesus veio ao mundo para salvar; salvar os pobres e os pecadores. Para isso, ofereceu a Sua vida, até à morte de Cruz. Neste oferecimento, neste dom, de uma vez por todas, Jesus realizou a plenitude do Seu ministério de Sumo-Sacerdote: ofereceu… ofereceu-se como verdadeiro cordeiro… e, em Si, oferece-nos ao Pai, para que em nós encontre plenitude a acção da Sua graça, se cumpram os Seus desígnios de amor, se realize a obra da Salvação. Acreditar em Jesus Cristo é abrir o coração à alegria e à esperança da Sua vinda gloriosa, no fim dos tempos. O cristão, como discípulo missionário, é anunciador da alegria e da esperança, num mundo devastado pela descrença, pela apatia e pelo paganismo. Jesus virá para salvar aqueles que esperam por Ele...

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

SANTOS POPULARES


SANTA ISABEL DA TRINDADE

Maria Isabel Catez nasceu num acampamento militar - no Campo de Avor - perto de Bourges, França, no dia 18 de Julho de 1880. O seu pai, José Catez, era capitão do exército francês. A sua mãe, Maria Rolland, contava: “Quando tinha apenas 1 ano, já se manifestava sua natureza ardente e colérica”. No entanto, a sua mãe, atenta, soube modelar a fúria de Isabel e fazer sobressair nela a ternura. Ela mesma tomou a iniciativa de escrever no seu diário pessoal, aos 18 anos: “Hoje, tive a alegria de oferecer a Jesus muitos sacrifícios por causa do meu defeito dominante; mas, como eles me custaram! Reconheço minha fraqueza… Parece-me que quando recebo uma observação injusta, sinto esquentar todo o meu sangue nas veias; tanto que o meu ser se revolta… Mas Jesus está no meu coração e, por isso, estou pronta a suportar tudo por amor a Ele”.
Ainda criança, a família mudou-se para a cidade de Dijon. Com apenas 7 anos, ficou órfã de pai.
O dia da sua primeira comunhão, a 19 de Abril de 1891, foi “o grande dia” da vida de Isabel, então com 10 anos. Chorou de alegria. Ao descer a escadaria da Igreja, disse à sua amiguinha Marie-Louise Hallo: “Não tenho fome, Jesus saciou-me”...
Isabel estudou piano, desde os 8 anos de idade, no Conservatório, vindo a tornar-se uma “excelente pianista”, segundo a expressão do seu professor de música.
Ainda não tinha 14 anos e já tinha escolhido Jesus para seu único esposo, pensando seguir a vida religiosa. Confirmou esta sua decisão ao ler a ‘História de uma Alma’, a autobiografia de Santa Teresinha do Menino Jesus. Deste livro, copiou pelo seu punho o ‘Oferecimento ao Amor Misericordioso’ e, ainda, três poesias de Santa Teresinha.
Aos 18 anos, a sua mãe pretendeu casá-la, mas Isabel respondeu: “O meu coração já não está livre: dei-o ao Rei dos reis. Por isso, já não posso dispor dele”. O desgosto da mãe foi muito grande. Mas, tornou-se mais amargo quando soube que Isabel queria entrar para o Carmelo, onde tantas vezes tinham ido juntas e que ficava apenas a 200 metros da sua casa. Entre lágrimas, a mãe apenas consentiu a entrada da filha no Carmelo quando ela atingiu a maioridade: aos 21 anos de idade.
Isabel entrou no Carmelo de Dijon no dia 2 de Agosto de 1901, tendo recebido o nome de ‘Irmã Isabel da Santíssima Trindade’. Este início foi marcado, na sua vida, por muitas graças sensíveis e tornou-se um período extraordinário de descoberta de um profundo amor pelo silêncio, próprio da espiritualidade carmelitana.
A Irmã Isabel da Trindade tomou o hábito no dia 8 de Dezembro de 1901. Durante o ano de 1902, Isabel foi tocada por um grande sofrimento interior. A escuridão da sua alma - a sua noite - foi, no entanto, iluminada com a claridade da fé e da confiança. Ela mesma o explicou, nesse mesmo ano, à Senhora de Sourdon: “O abandono, eis o que nos entrega a Deus. Sou muito nova, mas parece-me que algumas vezes sofri bastante. Oh! Então quando tudo se obscurecia, quando o presente era tão doloroso e o futuro me aparecia ainda mais sombrio, fechava os olhos e abandonava-me, como uma criança, nos braços desse Pai que está nos céus...”
Irmã Isabel fez a sua profissão perpétua no dia 21 de Janeiro de 1903, tendo recuperado a paz e a serenidade interiores. Na véspera da sua profissão perpétua, passou toda a noite em oração, como era costume no Carmelo. Ela mesma afirmou ter percebido, nesse momento, o sentido da sua vocação: “Na noite que precedeu o grande dia, enquanto eu estava no coro à espera do Esposo, compreendi que o meu céu começaria na terra, o céu na fé, com o sofrimento e a imolação por Aquele que eu amo”.
Isabel descobriu a passagem de São Paulo, sobre o Louvor de Glória, na Carta aos Efésios: “Foi também em Cristo que fomos escolhidos como sua herança, predestinados de acordo com o desígnio daquele que tudo opera, de acordo com a decisão da sua vontade, para que nos entreguemos ao louvor da sua glória, nós, que previamente pusemos a nossa esperança em Cristo” (Ef 1, 11-12). Um dos seus biógrafos escreveu: “A Irmã Isabel da Trindade foi verdadeiramente a alma de uma ideia: ser, para a Santíssima Trindade, um louvor de Glória”.
Numa carta dirigida à sua mãe – que, à maneira francesa, tratava por “tu” – Isabel escreveu: “Ele escolheu a tua filha para associá-la à sua grande obra de Redenção. Ele marcou-a com o selo da sua Cruz e sofre nela, como que numa extensão da sua Paixão... Não ambiciono chegar ao Céu somente pura como um Anjo, mas transformada em Jesus Crucificado”.
Esta crucifixão atingiu-a, sobretudo nos últimos nove meses de vida, por meio de uma doença que a transformou numa hóstia de imolação. No Céu, para onde voou, consumou-se a união desta grande Mestra da vida espiritual.
Nos fins de Março de 1906, a Irmã Isabel foi levada para a enfermaria. As Irmãs rezavam pela sua cura e Isabel juntou o seu pedido às orações da comunidade, mas sentiu que Jesus lhe dizia que os ofícios da terra já não eram para ela.
No dia 1 de Novembro, a Irmã Isabel da Trindade comungou pela última vez e, dois dias antes da sua morte, disse ao seu médico: “É provável que dentro de dois dias eu esteja no seio da Santíssima Trindade. É a Virgem Maria - aquele ser tão luminoso, tão puro, com a pureza do mesmo Deus - que me levará pela mão e me introduzirá no céu tão deslumbrante”. Alguns dias antes da sua morte, Isabel dissera, às suas Irmãs, esta frase tão bela e que ficou célebre: “Tudo passa! No declinar da vida só o amor nos resta...”
A sua última noite foi terrivelmente penosa, pois às suas horríveis dores juntou-se-lhe também a falta de ar; mas, ao amanhecer, Isabel sossegou e, inclinando a cabeça, abriu os olhos e exclamou: “Vou para a Luz, para o Amor, para a Vida”… E adormeceu para sempre. Era a madrugada do dia 9 de Novembro de 1906.
Isabel da Trindade foi beatificada pelo João Paulo II, no dia 25 de Novembro de 1984, festa de Cristo Rei. Foi canonizada, em Roma, pelo Papa Francisco no dia 16 de Outubro de 2016. Na homilia, o Papa disse: “…Ouvimos a promessa de Jesus no Evangelho: Deus fará justiça aos seus eleitos, que a Ele clamam dia e noite (cf. Lc 18, 7). Eis o mistério da oração: grita, não te canses e, se te cansares, pede ajuda para manteres as mãos erguidas. Esta é a oração que Jesus nos revelou e deu no Espírito Santo. Rezar não é refugiar-se num mundo ideal; não é evadir-se numa falsa tranquilidade egoísta. Pelo contrário: rezar é lutar e deixar que o próprio Espírito Santo reze em nós. É o Espírito Santo que nos ensina a rezar, guia na oração e faz rezar como filhos.
Os Santos são homens e mulheres que se entranham profundamente no mistério da oração. Homens e mulheres que lutam mediante a oração, deixando rezar e lutar neles o Espírito Santo; lutam até ao fim, com todas as suas forças; e vencem, mas não sozinhos: o Senhor vence neles e com eles. Também estas sete testemunhas, que hoje foram canonizadas, travaram o bom combate da fé e do amor através da oração. Por isso, permaneceram firmes na fé, com o coração generoso e fiel. Que Deus nos conceda também a nós, pelo exemplo e intercessão delas, ser homens e mulheres de oração; gritar a Deus dia e noite, sem nos cansarmos; deixar que o Espírito Santo reze em nós, e orar apoiando-nos mutuamente para permanecermos com os braços erguidos, até que vença a Misericórdia Divina…”
A memória litúrgica de Santa Isabel da Trindade celebra-se no dia 9 de Novembro.
Para vivermos, mais intimamente, a nossa comunhão com Deus Trindade através da oração, podemos rezar a oração composta por Santa Isabel da Trindade, carmelita descalça, no dia 21 de Novembro de 1904. É, sem dúvida, uma das mais belas e profundas orações dedicadas à Santíssima Trindade, sendo uma espécie de síntese de sua vida espiritual.

“…Ó meu Deus, Trindade que adoro, ajudai-me a esquecer-me inteiramente de mim para me estabelecer em Vós, imóvel e pacífica, como se a minha alma já estivesse na eternidade; que nada me possa perturbar a paz nem arrancar-me de Vós, ó meu Imutável, mas que cada minuto me transporte mais profundamente ao Vosso Mistério!
Pacificai a minha alma; fazei dela o Vosso Céu, a Vossa morada querida e o lugar do Vosso repouso; que eu não Vos deixe jamais só; mas fique, toda inteira, Convosco; toda atenta na minha fé, em atitude de adoração e entregue inteiramente à Vossa acção criadora.

Ó meu Cristo amado, crucificado por amor, quanto desejaria ser uma esposa para o Vosso coração; quanto desejaria cobrir-Vos de glória; quanto desejaria amar-Vos... Até morrer!... Mas sinto a minha impotência e, por isso, peço-Vos: revesti-me de Vós mesmo; identificai a minha alma com todos os movimentos da Vossa. Submergi-me, penetrai-me, substitui-Vos a mim, a fim de que a minha vida não seja senão uma irradiação da Vossa. Vinde a mim como Adorador, como Reparador, como Salvador.

Ó Verbo Eterno, Palavra do meu Deus: quero passar a minha vida a escutar-Vos; quero ser inteiramente dócil, para aprender tudo de Vós; e depois, através de todas as noites, de todos os vazios, de todas as impotências, quero ter sempre os olhos fitos em Vós e ficar sob a Vossa grande Luz. Ó meu Astro querido, fascinai-me a fim de que eu não possa mais sair dos Vossos raios.
Ó fogo devorador, Espírito de Amor: vinde a mim, para que em mim se opere como que uma encarnação do Verbo; que eu seja para Ele uma humanidade de acréscimo na qual Ele renove o seu Mistério.

E Vós, ó Pai, inclinai-Vos sobre esta vossa pobre criatura; cobri-a com a Vossa sombra; vede nela somente o Vosso Bem-Amado, no qual pusestes todas as vossas complacências.

Ó meus “Três”, meu Tudo, minha Beatitude, Solidão Infinita, Imensidade em que me perco: eu me entrego a Vós, como uma presa; sepultai-Vos em mim, para que eu me sepulte em Vós, na esperança de ir contemplar, na Vossa Luz, o abismo de Vossa grandeza. Amém…”