PALAVRA COM SENTIDO

PALAVRA COM SENTIDO

“…fomos baptizados num só Espírito, para constituirmos um só Corpo …” (cf. 1 Coríntios 12, 13)

A Igreja celebra a Solenidade do Pentecostes, memória da vinda do Espírito Santo sobre os Apóstolos. Esta força do alto, sabedoria de Deus e luz da alma e da consciência, renovou o coração destes homens que, do medo e do escondimento, passaram a testemunhar e a anunciar Jesus Cristo à luz do dia, sem medo e sem vergonha. O Espírito de Deus continua a renovar e a transfigurar as vidas daqueles que O acolhem, que se deixam moldar por Ele, que O testemunham como “Senhor que dá a vida”. Baptizados no fogo do amor de Deus, formamos um só corpo: a Igreja que, enviada por Jesus, testemunha no mundo o Amor, a Misericórdia, o Perdão, a Unidade, a Santidade, a Paz… No mundo devastado pela miséria moral e humana, pela violência e o rancor, pelo ódio e o egoísmo, pela ganância e a discórdia, é preciso abrir o coração ao sopro do espírito e rezar-Lhe para que renove a face da terra.

segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

EM DESTAQUE


- CELEBRAÇÃO DO NATAL DE JESUS



Dentro de 8 dias, a Igreja celebra o Natal de Jesus. É uma festa vivida pelos cristãos do mundo inteiro e com grande influência festiva mesmo para aqueles que não são cristãos ou não têm fé. Em todo o mundo, há sinais de festa, de solidariedade, de partilha, de atenção aos mais pobres provocados pela força desta memória cristã.
Contudo, não podemos esquecer que a verdadeira Festa de Natal é Jesus que, sendo Deus, se fez carne, um no meio de nós, para nos transmitir a alegria e a paz do céu. Nesse mistério de um Deus connosco, o Filho de Deus fez-se criança, pequeno, humilde e pobre para transformar o mundo através da caridade e da misericórdia. Para ajudar à preparação e vivência do Natal cristão, apresentamos algumas palavras da Homilia do Papa Francisco na Missa do galo, no dia 24 de Dezembro de 2016, na Basílica de São Pedro, em Roma: “… «Manifestou-se a graça de Deus, portadora de salvação para todos os homens» (Tt 2, 11). Estas palavras do Apóstolo Paulo revelam o mistério desta noite santa: manifestou-se a graça de Deus, o seu presente gratuito. No Menino que nos é dado, concretiza-se o amor de Deus por nós.
É uma noite de glória, a glória proclamada pelos anjos em Belém e também por nós em todo o mundo. É uma noite de alegria, porque, desde agora e para sempre, Deus, o Eterno, o Infinito, é Deus connosco: não está longe, não temos de O procurar nas órbitas celestes nem em qualquer ideia mística; está próximo, fez-Se homem e não Se separará jamais desta nossa humanidade que assumiu. É uma noite de luz: a luz, profetizada por Isaías e que havia de iluminar quem caminha em terra tenebrosa (cf. 9, 1), manifestou-se e envolveu os pastores de Belém (cf. Lc 2, 9).
Os pastores descobrem, pura e simplesmente, que «um menino nasceu para nós» (Is 9, 5) e compreendem que toda aquela glória, toda aquela alegria, toda aquela luz se concentram num único ponto, no sinal que o anjo lhes indicou: «Encontrareis um menino envolto em panos e deitado numa manjedoura» (Lc 2, 12). Este é o sinal de sempre para encontrar Jesus; não só então, mas hoje também. Se queremos festejar o verdadeiro Natal, contemplemos este sinal: a simplicidade frágil dum pequenino recém-nascido, a mansidão que demonstra no estar deitado, a ternura afectuosa das fraldas que O envolvem. Ali está Deus. (…)
Deixemo-nos interpelar pelo Menino na manjedoura, mas deixemo-nos interpelar também pelas crianças que, hoje, não são reclinadas num berço, nem acariciadas pelo carinho duma mãe e dum pai, mas jazem nas miseráveis «manjedouras de dignidade»: no abrigo subterrâneo para escapar aos bombardeamentos, na calçada duma grande cidade, no fundo dum barco sobrecarregado de migrantes. Deixemo-nos interpelar pelas crianças que não se deixam nascer, as que choram porque ninguém lhes sacia a fome, aquelas que na mão não têm brinquedos, mas armas.
O mistério do Natal, que é luz e alegria, interpela e mexe connosco, porque é um mistério de esperança e simultaneamente de tristeza. Traz consigo um sabor de tristeza, já que o amor não é acolhido, a vida é descartada. Assim acontece a José e Maria, que encontraram as portas fechadas e puseram Jesus numa manjedoura, «por não haver lugar para eles na hospedaria» (Lc 2, 7). Jesus nasce rejeitado por alguns e na indiferença da maioria. E a mesma indiferença pode reinar também hoje, quando o Natal se torna uma festa onde os protagonistas somos nós, em vez de ser Ele; quando as luzes do comércio põem na sombra a luz de Deus; quando nos afanamos com as prendas e ficamos insensíveis a quem está marginalizado. Esta mundanidade fez refém o Natal; é preciso libertá-lo!
Mas o Natal tem sobretudo um sabor de esperança, porque, não obstante as nossas trevas, resplandece a luz de Deus. A sua luz gentil não mete medo; enamorado por nós, Deus atrai-nos com a sua ternura, nascendo pobre e frágil no nosso meio, como um de nós. Nasce em Belém, que significa «casa do pão»; deste modo parece querer dizer-nos que nasce como pão para nós; vem à nossa vida, para nos dar a sua vida; vem ao nosso mundo, para nos trazer o seu amor. Vem, não para devorar e comandar, mas alimentar e servir. Há, pois, uma linha direta que liga a manjedoura e a cruz, onde Jesus será pão repartido: é a linha direta do amor que se dá e nos salva, que dá luz à nossa vida, paz aos nossos corações. (…)
Entremos no verdadeiro Natal com os pastores, levemos a Jesus aquilo que somos, as nossas marginalizações, as nossas feridas não curadas, os nossos pecados. Assim, em Jesus, saborearemos o verdadeiro espírito do Natal: a beleza de ser amado por Deus. Com Maria e José, paremos diante da manjedoura, diante de Jesus que nasce como pão para a minha vida. Contemplando o seu amor humilde e infinito, digamos-Lhe pura e simplesmente obrigado: Obrigado, porque fizestes tudo isto por mim!»...” (cf. Santa Sé)


- FELIZ NATAL



A todos os nossos leitores; aos habitantes da nossa cidade de Santa Maria da Feira; a todos os homens e mulheres de boa vontade, crentes e não crentes, desejamos que este tempo de NATAL - e a sua vivência festiva - seja tempo de LUZ e de PAZ, de COMUNHÃO e de ESPERANÇA, de PARTILHA e de BÊNÇÃO.
FELIZ E SANTO NATAL, com JESUS e com os IRMÃOS.